A evolução do ser humano no sensível “Visitando o Sr. Green”

VisitandoTopo

São incontáveis os bons motivos para conferir a imperdível peça “Visitando o Sr. Green”. Em cartaz no confortável Teatro Jaraguá, em São Paulo, a montagem retorna à capital paulista 15 anos após sua estreia. Dirigidos por Elias Andreato, Paulo Autran dividiu o palco ora com Dan Stulbach, ora com Cassio Scapin. A temporada durou 5 anos e o espetáculo chegou a ser apresentado no Palácio dos Bandeirantes, para o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin. A peça rendeu a Autran os prêmios Shell e APCA de Melhor Ator.

Por trás das cortinas, quem assume a função de dirigir a nova montagem é Scapin, que aplica sua experiência no trabalho com Sergio Mamberti e Ricardo Gelli. Conhecidos do grande público por trabalharem no infantil “Castelo Rá-Tim-Bum”, na TV Cultura, Cassio e Sergio tem a intimidade necessária para que direção e ator conquistem o melhor resultado no palco. E é exatamente isso que se vê em “Visitando o Sr. Green”.

Apesar de 15 anos ser pouco tempo para apagar da memória a inesquecível interpretação de Autran, Mamberti se sai tão bem quanto. À sua maneira, o paulista de 76 anos dá vida ao Sr. Green, um solitário judeu ortodoxo de 86 anos, que encanta a plateia com os maneirismos tradicionais do grupo étnico e choca o público com as ideias retrógradas e preconceituosas que cultivou desde o século passado.

No papel que foi de Stulbach e Scapin, Gelli faz com que o personagem Ross Gardiner evolua de um trabalhador irresponsável – em um primeiro olhar -, para um ser humano esclarecido e certo de suas atitudes, um crescente provavelmente idealizado pelo autor americano Jeff Baron. Após a estreia em 1996, “Visiting Mr. Green” foi traduzida para mais de 20 idiomas e produzida em quase 40 países, tornando-se um dos espetáculos mais populares da época, sendo vencedora de prêmios nos Estados Unidos, França, Grécia, Israel, Turquia, Uruguai e Argentina.

Condenado pela justiça a fazer visitas semanais por um quase atropelamento, Ross Gardiner passa a conviver com o difícil Sr. Green. Com o tempo, uma relação começa a ser estabelecida até que um fato da vida do jovem influencia na forma com que Green o enxerga. A amizade abalada traz a tona segredos pessoais de ambos e resulta em debates surpreendentes e emocionantes sobre morte, violência, preconceito e família.

Com um texto coeso e cheio de referências históricas, “Visitando o Sr. Green” é uma aula de atuação, de evolução e de respeito ao ser humano. Mazel tov!

“Visitando o Sr. Green” está em cartaz no Teatro Jaraguá (Novotel Jaraguá), situado na Rua Martins Fontes, 71. Sextas (21h30), sábados (21h) e domingos (19h) de R$25,00 (meia) a R$50,00 (inteira). Os ingressos podem ser adquiridos através do Ingresso Rápido. Até 19 de julho.

VisitandoFoot