Com direção de Jorge Fernando, Claudia Ohana e Ney Latorraca estrelam “Vamp, O Musical”

(Foto: Cíntia Carvalho / Setor VIP)

Depois de conquistar milhares de espectadores no Rio de Janeiro, “Vamp, O Musical” cumpre curtíssima temporada no Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo. Baseado na marcante novela da Rede Globo, o espetáculo traz Claudia Ohana e Ney Latorraca nos emblemáticos personagens Natasha e Conde Vladimir Polanski, respectivamente. Assim como na produção televisiva, que contava com a colaboração de Fabio Sabag e Carlos Manga Jr., Jorge Fernando assina a direção geral de “Vamp, O Musical”. O artista faz parte da concisa e privilegiada turma de profissionais que construíram ambas as obras. Na peça, Jorge Fernando conta com o auxílio de Diego Morais, parceiro na direção da novela “Êta Mundo Bom!” (2016).

Ney Latorraca conquista o público com a mesma característica que rendeu ao personagem na novela tamanha popularidade: carisma. Somado ao seu talento descomunal para a interpretação, Latorraca se diverte em cena de maneira natural, como se estivesse entre amigos. “Adoro esse efeito!”, solta após uma brincadeira com a iluminação. Em determinado momento, esquece o espetáculo e conta que se formou na Escola de Arte Dramática, relembra suas boas notas, a madrinha Marília Pêra e homenageia Ruth Escobar, morta na última quinta-feira (05). Antes de deixar o palco, assume que o taxista que o trouxe ao teatro o confundiu com Agildo Ribeiro. “Ele tem 100 anos, eu tenho 73!”, brinca. “A corrida deu R$17,20. Eu daria R$30, mas como me confundiu paguei exatamente R$17,20!”, completa arrancando mais aplausos da plateia.

(Foto: Cíntia Carvalho / Setor VIP)

É fácil misturar ficção com realidade ao testemunhar a desenvoltura de Claudia Ohana em “Vamp, O Musical”. Assim como Natasha, a atriz provavelmente vendeu a alma ao Conde Vlad para que, com o passar dos anos, fique cada vez melhor. Durante as mais de duas horas de espetáculo, Claudia Ohana canta, dança, interpreta, troca de figurino inúmeras vezes (incluindo perucas!), sobe e desce escadas, se atira aos dançarinos, é carregada, voa, vira de ponta cabeça, toca guitarra, constrói uma carreira de sucesso, transforma humanos em vampiros, salva o planeta, tudo em cima de saltos altíssimos, se mantendo linda, sem perder o fôlego e contornando as adversidades que acontecem sem aviso prévio em um espetáculo ao vivo!

Em “Noite Preta”, primeiro número do espetáculo, Natasha desce por um elevador e retorna com uma guitarra ao seu lado, instrumento utilizado ao final do número musical. Durante a canção, a plataforma desce, mas não sobe de volta. Imediatamente, dançarinos auxiliam a atriz a sair do fosso que deve possuir cerca de 1m50 de profundidade. Claudia Ohana corre para a coreografia já iniciada e a executa de maneira impecável, sem demonstrar que poderia não saber em qual parte estava. Enquanto a canção se desenrola, os artistas tentam alcançar guitarra e suporte que ficaram no buraco do elevador. Alcançam ambos, mas o suporte é levado provavelmente por não estar na marcação correta. Após utilizar o instrumento, Natasha percebe a falta do apoio, não titubeia ao largar a guitarra no chão e segue com a cena como se nada tivesse acontecido.

>> Ney Latorraca anuncia aposentadoria durante lançamento de “Vamp, O Musical”

>> Um dos maiores sucessos da Broadway, “Rent” retorna à São Paulo

Embora tenha o elenco reduzido (o musical apresenta cerca de 20, dos 60 personagens da novela), todos os artistas se destacam de maneira positiva em algum momento de “Vamp, O Musical”. Helga Nemeczyk interpreta a divertida Penn Taylor, papel original de Vera Holtz, enquanto a beleza e as vozes afinadas de Luciano Andrey e Erika Riba conquistam os espectadores que torcem pelo final feliz do Capitão Jonas Rocha e de Carmem Maura, papéis de Reginaldo Faria e Joana Fomm. Livia Dabarian (Mary Matoso, papel de Patrícya Travassos) e Oscar Fabião (Lipe, interpretado na novela por Fábio Assunção) chamam atenção pela desenvoltura em papéis que mereciam ainda mais espaço no musical. O espetáculo conta com a participação especial da talentosa Claudia Netto, intérprete da inédita personagem Madrácula.

“Vamp, O Musical” é um espetáculo tipicamente brasileiro, com praticamente nenhuma inspiração nos grandes musicais da Broadway. Aliás, a obra poderia ser facilmente vendida como uma peça teatral. Apesar de marcantes, os números musicais são um complemento ao texto adaptado do roteiro original de Antonio Calmon. Algumas cenas representam fielmente momentos pontuais e bastantes marcantes da novela que marcou gerações nos anos 90. Os admiradores da obra com certeza não irão se decepcionar.

(Foto: Cíntia Carvalho / Setor VIP)

“Vamp, O Musical” está em cartaz no Teatro Sérgio Cardoso (Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista), em São Paulo, sextas (20h30), sábados (17h e 21h) e domingos (16h30). As entradas custam de R$20,00 (meia) a R$150,00 (inteira) e podem ser encontradas através do site oficial do Ingresso Rápido. “Vamp, O Musical” tem 140 minutos de duração, incluindo um intervalo de 15 minutos, e classificação indicativa livre. Restam cerca de 200 ingressos na plateia central até o final da temporada. Até 15 de outubro. Estrela1 Estrela1 Estrela1