Débora Falabella e Yara de Novaes comprovam talento em “Contrações”

(Foto: Vitor Zorzal)

(Foto: Vitor Zorzal)

Em outubro de 2013, a mineira Débora Falabella subia ao palco para apresentar “Contrações” pela primeira vez. Dois anos e meio depois, a atriz retorna para a cidade de São Paulo, onde apresentou o espetáculo 130 vezes. Todas as sessões tiveram os seus ingressos esgotados. Em uma manobra um pouco mais arriscada, Débora troca o intimista espaço do Centro Cultural Banco do Brasil, com capacidade para 130 pessoas, pelo Teatro Frei Caneca, com 600 lugares. Antes, passou pelo Teatro Porto Seguro, na capital paulista e por cidades como Brasília, Curitiba, Belo Horizonte, Vitória e Rio de Janeiro. O texto do autor britânico Mike Bartlett, é certamente capaz de segurar a atenção do público.

Emma (Débora Falabella) é convocada pela gerente da empresa em que trabalha (interpretada por Yara de Novaes), para discutir uma cláusula contratual, que proíbe aos funcionários qualquer relação sentimental ou sexual com outro empregado da empresa. Nos encontros seguintes, Emma passa a ser manipulada pela corporação, que utiliza o poder que tem sobre a funcionária, para conseguir o que precisa. Criada por André Cortez, a sala de escritório onde a trama se desenvolve, é o único ambiente do espetáculo.

(Foto: Guto Muniz)

(Foto: Guto Muniz)

Com direção de Grace Passô, “Contrações” destaca o talento indiscutível de Débora Falabella e de Yara de Novaes. Não à toa, as atrizes receberam diversos prêmios, incluindo os respeitados APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) e APTR (Associação dos Produtores de Teatro do Rio de Janeiro). A dupla trabalha em parceria há mais de 10 anos.

O conceito é simples. As duas atrizes não saem de cena em nenhum momento e a passagem do tempo é marcada pelas diversas vezes que a personagem de Falabella se dirige à porta do escritório, sem de fato sair da sala. Cada retorno de Emma acontece em um período diferente do antecessor. O visual e o humor da personagem contribuem para que o público compreenda o desenvolvimento da história com mais clareza, embora o drama seja facilmente entendido. Apesar das inúmeras piadas que levam a plateia às gargalhadas, o texto traduzido por Silvia Gomez retrata uma realidade cruel.

O prólogo causa a incorreta impressão de que “Contrações” será uma peça longa, cansativa e sem o menor sentido. As palavras e expressões destacadas no início do espetáculo, são pontuadas no decorrer da obra e funcionam graças a iluminação de Alessandra Domingues e a trilha Sonora de Morris Picciotto, que conta com músicos no palco para tornar o processo ainda mais rico.

(Foto: João Caldas)

(Foto: João Caldas)

“Contrações” está em cartaz no Teatro Frei Caneca (Shopping Frei Caneca – Rua Frei Caneca, 569 – Consolação) às sextas (21h), sábados (21h) e domingos (19h). Os ingressos custam de R$30,00 (meia) a R$80,00 (inteira) e podem ser adquiridos no Ingresso Rápido. A peça tem 80 minutos de duração e é indicada para maiores de 14 anos. Até o dia 26 de junho.