Diabo personifica Vera Fischer em espetáculo “Ela é o Cara!”

(Foto: Ariel Bernardino)

Vera Fischer está de volta aos palcos na comédia “Ela é o Cara!”, em cartaz no Teatro Folha, em São Paulo. Dirigido por Ary Coslov (de “O Amor Perdoa Tudo”), o espetáculo desembarca na capital paulista após passar por diversas cidades do Brasil. Ao lado de Edson Fieschi, Vera Fischer atua de maneira canastrona em uma peça pouco divertida.

A performance da catarinense deixa a desejar e a artista mal consegue interpretar a si mesma com naturalidade. A certa altura, Vera Fischer declama um monólogo de maneira surpreendentemente forte e arranca com dificuldade meia dúzia de aplausos do público, puxados pela filha Rafaela Fisher, que assistia à performance da mãe na primeira fila.

Na história assinada por Andrea Batitucci e Márcio Araújo, o psicanalista Gilberto Fonseca (papel de Fieschi) se vê sem saída em meio ao seu fracasso profissional e cogita vender a alma ao diabo para que sua situação melhore. O diabo surge em seu consultório na forma de Vera Fischer e, acreditando atender a artista com uma espécie de transtorno de personalidade, o psicanalista e a atriz reproduzem dezenas de piadas de gosto duvidoso, trocam selinhos sem motivo e protagonizam uma cena em que Fieschi passa a mão no bumbum de Fischer. Todas as cenas possuem marcações desnecessárias, apelativas e sem o menor sentido.

Os figurinos criados por Marcelo Marques chamam atenção por serem extravagantes como o que se imagina do guarda roupa de uma estrela como Vera Fischer. Nas três trocas de roupa que a atriz efetua durante o espetáculo, em nenhuma delas os acessórios são trocados completamente. Da primeira para a segunda troca, se vão os brincos e o colar, mas restam os anéis e os sapatos. Da segunda para a terceira, se vão os brincos e os sapatos, mas fica o colar. Não há motivos para as trocas incompletas. De todas as peças que Fischer veste no espetáculo, apenas o casaco branco de sua última entrada se destaca de maneira positiva.

Marcelo Marques também assina o cenário e Anderson Peixoto a iluminação.

“Ela é o Cara!” se resume à possibilidade de estar com uma das grandes estrelas brasileiras dos anos 70, 80 e 90. Vera Fischer, afinal, é responsável por interpretar grandes papéis como Jocasta da Silveira, de “Mandala” (1987); Nena Mezenga, de “O Rei do Gado” (1996); e Helena Lacerda, de “Laços de Família” (2000). No teatro, a premiada atriz esteve em excelentes espetáculos como “Macbeth” (1992), com direção de Ulysses Cruz; “Gata em Teto de Zinco Quente” (1998), dirigida por Moacyr Góes; e “A Primeira Noite de um Homem” (2004), com direção de Miguel Falabella. Quase 10 anos afastada dos palcos, Fischer retornou na mediana “Relações Aparentes” (2015) que, assim como “Ela é o Cara!”, foi dirigida por Coslov.

(Foto: Ariel Bernardino)

“Ela é o Cara!” está em cartaz no Teatro Folha (Av. Higienópolis, 618 – Consolação), em São Paulo, sextas (21h30), sábados (20h e 22h) e domingos (20h). As entradas custam de R$25,00 (meia) a R$70,00 (inteira) e podem ser encontradas no site oficial do Ingresso.com. O espetáculo tem classificação indicativa para maiores de 10 anos e duração de 60 minutos. Em cartaz inicialmente até 26 de fevereiro. Estrela1