Eriberto Leão comove plateia em homenagem a Jim Morrison

(Foto: Cíntia Carvalho / Setor VIP)

(Foto: Cíntia Carvalho / Setor VIP)

Após ser visto por mais de 100 mil espectadores no Rio de Janeiro e em mais de dez cidades brasileiras, Eriberto Leão desembarca no Teatro Vivo, em São Paulo, com o espetáculo musical “Jim”. Com texto de Walter Daguerre, “Jim” relembra passagens importantes da história de Jim Morrison (1943-1971), vocalista da banda norte-americana The Doors. João Mota vai ao túmulo do ídolo para se suicidar, acreditando seguir os mesmos passos de Morrison. Em clima de confissão, Mota se vê rodeado pela presença poética e marcante de Jim, bem como por intervenções de uma mulher misteriosa (Renata Guida), que dá voz aos pensamentos de sua esposa; de Pamela Morrison, companheira de Jim; e do universo.

“Jim” marca os 45 anos da morte de Morrison, considerado um dos maiores artistas do planeta. A peça comemora os 20 anos de carreira teatral de Leão, que nos últimos três tem se dedicado ao espetáculo. O ator – admirador confesso de Jim Morrison e da banda The Doors – encarna com maestria um dos personagens mais marcantes da história da música mundial. Desafiado pela força de Morrison, Eriberto Leão se mostra seguro ao disseminar os pensamentos do artista, seja por meio de suas palavras ou de de suas canções. Na interpretação de clássicos do The Doors, como “Ligth My Fire”, “The End” e “Riders on the Storm”, Leão arrepia, comove e emociona a plateia com sua postura, concentração e afinação.

(Foto: Cíntia Carvalho / Setor VIP)

(Foto: Cíntia Carvalho / Setor VIP)

Para as onze canções da banda, Eriberto Leão é acompanhado ao vivo pelos músicos Antonio Van Ahn (teclado), Felipe Barão (guitarra) e Eduardo Rorato (bateria), que cumprem brilhantemente seus papéis. A direção musical é assinada por Ricco Vianna. No palco do pequeno teatro, destaca-se ainda a simples cenografia formada por uma lápide no formato de um piano de cauda, criada pelo diretor Paulo de Moraes, e a belíssima iluminação assinada por Maneco Quinderé, vencedora do Prêmio APTR de “Melhor Iluminação” em 2014. Os figurinos são de Rita Murtinho.

O texto, escrito com cuidado após uma extensa pesquisa, homenageia Jim Morrison através de seus ideais e de seus autores favoritos, citando passagens de William Blake, Charles Baudelaire, Arthur Rimbaud, Friedrich Nietzsche, entre outros. Apesar de duas ou três cenas de cunho sexual irrelevantes para o espetáculo, a nudez da atriz Renata Guida é tratada de forma discreta, sensual e com extremo bom gosto, provando que cada trecho de “Jim” foi pensado para não desviar a atenção do foco real da peça. Ao final do espetáculo, as palavras de Leão demonstram o carinho e a dedicação com que “Jim” foi criado.

(Foto: Cíntia Carvalho / Setor VIP)

(Foto: Cíntia Carvalho / Setor VIP)

“Jim” está em cartaz no Teatro Vivo (Av. Dr. Chucri Zaidan, 2460 – Morumbi) em São Paulo. Sextas (21h30), sábados (21h) e domingos (18h). Os ingressos custam de R$20,00 (meia) a R$80,00 (inteira) e podem ser adquiridos através do site oficial do Ingresso Rápido. No final de semana de estreia (29 e 30 de outubro) todas as entradas serão promocionais de R$10,00 (meia) a R$20,00 (inteira). O espetáculo tem 65 minutos de duração e classificação recomendada para maiores de 16 anos. Até 18 de dezembro. Estrela1 Estrela1 Estrela1 Estrela1