“Gabriela”, de Jorge Amado, ganha versão musical por João Falcão

Em 1925, o sírio Nacib, dono do bar Vesúvio, encontra Gabriela no “mercado de escravos”. De beleza naturalmente desconcertante, a moça atrai o público masculino para o restaurante do patrão. Após reparar em sua graça, Nacib e Gabriela se casam. O embate entre seu espírito livre e suas obrigações conjugais faz Gabriela repensar suas escolhas.

Gabriela-Um-Musical-no-Teatro-Cetip-em-Sao-Paulo

(Foto: Roberto Setton)

O musical “Gabriela” é o quinto grande projeto baseado na história “Gabriela, Cravo e Canela” (1958), de Jorge Amado. Janete Vollu, Sonia Braga e Juliana Paes interpretaram o papel-título nas novelas produzidas pela TV Tupi (1960) e pela Rede Globo (1975 e 2012). Sonia retornou à história ao lado de Marcello Mastroianni para o longa-metragem homônimo em 1983.

Dirigida e adaptada por João Falcão (de “Gonzagão, a Lenda”), a história “Gabriela” é contada através de canções como Dorival Caymmi (“Vatapá”), Milton Nascimento (“Cais”), Martinho da Vila (“Disritmia”), Arnaldo Antunes (“Volte Para o Seu Lar”) e Marisa Monte (“Vilarejo”). Integrante da banda “5 a Seco”, Tó Brandileone é o responsável pela direção musical e pelos novos arranjos das populares melodias.

De todos os números – criados com um excesso de cuidados pouco visto no teatro musical nacional -, apenas “Garota Nacional”, da banda Skank, destoa das roupagens regionais dadas às conhecidas canções. Além da harmonia, a personagem Gabriela desfila usando um vestido azul enquanto o elenco masculino canta “com seu vestidinho preto”.

Gabriela-Um-Musical-no-Teatro-Cetip-em-Sao-Paulo

(Foto: Roberto Setton)

A cenografia minimalista criada por João Falcão em parceria com Simone Mina combina perfeitamente com o emocionante desenho de luz de Cesar de Ramires. O figurino assinado por Mina se destaca pelas cores e pela riqueza de detalhes. O palco possui esteiras de diversos comprimentos, que transportam o elenco de um lado para o outro e em diversas direções.

Daniela Blois exala a sensualidade de Gabriela de forma discreta e interpreta de maneira natural e encantadora um dos personagens mais icônicos da literatura brasileira. O que falta na preparação vocal, Danilo dal Farra compensa na atuação de seu apaixonante Nacib. Juliana Linhares (Glória) e o carismático Mauricio Tizumba (Tuísca) roubam diversos momentos do espetáculo, que peca ao enfatizar as relações políticas e praticamente ignorar a existência do cabaré Bataclan.

>> Tecnologia e interação não salvam musical “Os Dez Mandamentos”

Gabriela-Um-Musical-no-Teatro-Cetip-em-Sao-Paulo

(Foto: Roberto Setton)

O musical “Gabriela” está em cartaz no Teatro Cetip (Rua dos Coropés, 88 – Pinheiros), em São Paulo. Os ingressos custam de R$25 (meia) a R$190 (inteira) e podem ser encontrados no site oficial da Tickets For Fun. Quintas (21h), sextas (21h), sábados (17h e 21h) e domingos (16h e 20h). O espetáculo tem duração aproximada de 2 horas e 40 minutos. Inicialmente até 07 de agosto. Estrela1 Estrela1 Estrela1