Jovem e transgressor, “Jesus Cristo Superstar” estreia em São Paulo

Esqueça todas as polêmicas e não torça o nariz se não é uma pessoa religiosa, assista ao musical “Jesus Cristo Superstar” sem preconceitos e deixe se surpreender: “São jovens rebeldes, revoltados e sentimentais que se expressam de uma maneira agressiva”, diz Jorge Takla, o diretor do espetáculo. “São seres humanos, com suas qualidades e defeitos, representando o povo como aconteceu no surgimento do rock nos anos 50, em maio de 68 e em junho de 2013”, conclui. Lançado em 1970, o espetáculo “Jesus Cristo Superstar” foi escrito de forma coesa e coerente, jovem e transgressor por seu tema e sua música. A ópera-rock que mudou a história do teatro musical internacional, promete mudar em terras brasileiras também: “Jesus era um revolucionário, com seus conflitos e dúvidas, como qualquer líder budista, muçulmano, judeu ou cristão. Sou católico e essa obra não fere em nada minha crença”, afirma Takla.

Igor Rickli em cena de "Jesus Cristo Superstar"

Igor Rickli em cena de “Jesus Cristo Superstar”

Igor Rickli, conhecido do grande público pelo vilão Alberto da novela global “Flor do Caribe”, dá vida de forma surpreendente à figura de Jesus Cristo. Não que seu talento seja discutível, mas a força e a fragilidade de seu personagem arrepiam pela excelente performance do ator. Outro destaque – e que promete ser a grande surpresa da temporada – é o cantor Alírio Netto. O Judas brasileiro – Alírio interpretou Jesus no México – arranca aplausos, gritos e muitos suspiros. Sua voz é um personagem à parte e, caso o espetáculo não fosse bom, valeria a pena apenas por sua participação. Para completar o trio principal, a famosa cantora Negra Li empresta sua voz aveludada à bonita figura de Maria Madalena.

Negra Li canta “Não Sei Como Amá-Lo” em “Jesus Cristo Superstar”:

Fred Silveira (Pôncio Pilatos), Beto Sargentelli (Simão) e Olívia Branco (Joana) são outros destaques do elenco de 28 atores e cantores que envolvem, emocionam e deixam a plateia boquiaberta: “Essa obra mexe com o ‘jovem sonhador’ que existe em cada um de nós”, diz Takla. “Conversei com muita gente e cheguei à conclusão que todo mundo enxerga Jesus como um homem que transmitia amor”, completa Rickli. “Sou um ator visceral e é uma peça que exige bastante emocionalmente, tenho saído bem cansado, mas estou me sentindo literalmente no céu”, brinca. Aplaudido diversas vezes pela imprensa durante a coletiva e pela plateia que não se continha mesmo durante as canções, a atemporalidade de “Jesus Cristo Superstar” promete atravessar ainda muitas gerações.

Igor Rickli fala sobre seu papel no musical “Jesus Cristo Superstar”:

Com versão brasileira de Bianca Tadini e Luciano Andreys, “Jesus Cristo Superstar” fica em cartaz de 14 de março a 08 de junho no Teatro do Complexo Ohtake Cultural (Rua dos Coropés, 88, Pinheiros) em São Paulo. Quintas e sextas, às 21h; sábados, às 17h e 21h e domingos, às 18h. Os ingressos custam de R$25,00 (meia) a R$230,00 (inteira) e podem ser encontrados no site www.ticketsforfun.com.br.

Confira a galeria de fotos: