O fenômeno da música documentado na biografia “The Beatles”

The-Beatles-A-Unica-Biografia-Autorizada-por-Hunter-Davies-Editora-BestSeller

Não há quem não os conheça. John Lennon (1940-1980), Paul McCartney, George Harrison (1943-2001) e Ringo Starr formaram por oito anos a banda mais famosa do mundo. Os Beatles mudaram o rumo da história da música e seus ideais influenciaram milhares de pessoas, revolucionando principalmente a década de 60. O resultado da contestação social, da luta pela liberdade comportamental e da ampliação dos valores humanos estende-se até os dias de hoje, tornando o grupo um dos grandes símbolos da insubmissão jovem a favor da transformação da sociedade. Em “The Beatles”, a única biografia autorizada do quarteto, o escritor Hunter Davies documenta passagens importantes com colaboração dos músicos.

“Um público estimado de 15 milhões de telespectadores assistiu eles naquela noite. A Argyll Street, onde o Palladium está situado, ficou cercada de fãs durante todo o dia. Os repórteres dos jornais começaram a ir até lá quando ouviram falar da multidão. A porta do palco foi bloqueada por fãs, montanhas de presentes e pilhas de telegramas. Dentro, era quase impossível ensaiar por conta dos gritos contínuos dos milhares de fãs que cantavam do lado de fora, nas ruas.”

De 1963 a 1970, os Beatles gravaram 13 discos em estúdio. Todos no lendário Abbey Road Studios, em Londres. Apenas em 1966, 1968 e 1970, a banda lançou um álbum por ano. A vida do quarteto se dividia entre os palcos e os estúdios. Além disso, há registros ao vivo e dezenas de compilações foram lançadas oficialmente após o término do grupo. Estima-se que mais de 600 milhões de cópias tenham sido vendidas até hoje, tornando os Beatles a mais bem sucedida banda da história.

Foram quase 30 indicações ao Grammy. Os Beatles concorreram diversas vezes para as categorias mais importantes, como “Gravação do Ano”, “Música do Ano” e “Álbum do Ano”. Ganharam dez, incluindo o “Lifetime Achievement Award”, troféu que homenageia artistas que contribuíram de forma significativa para a história da música mundial. Frank Sinatra, Ella Fitzgerald, Elvis Presley, The Rolling Stones, Billie Holiday, Aretha Franklin, Stevie Wonder e Michael Jackson são alguns dos fenômenos que receberam o prêmio. Individualmente, apenas Ringo Starr ainda não possui o troféu.

Além disso, o grupo possui centenas dos mais respeitados prêmios do mundo, incluindo um Oscar pela canção “Let It Be”, de 1970. São mais de 70 canções na Billboard Hot 100, a mais importante referência musical do mundo, por exemplo. 20 faixas alcançaram o primeiro lugar, tornando os Beatles o grupo com mais números um da história. Em semanas, a banda perde apenas para a cantora Mariah Carey. 18 singles da americana permaneceram no topo por quase 80 semanas, contra 59 dos britânicos. Michael Jackson (3º), Rihanna (4º) e Madonna (5º) não estão nem próximos à alcançá-los.

“George estava doente, de cama, e parecia que ia perder o Ed Sullivan Show. (…) George conseguiu ir ao show, coberto de remédios. Os gritos ecoaram por toda a América. O show teve um público recorde de 73 milhões de espectadores. Em Nova York, durante o show, nem uma calota de carro foi roubada. Por todos os Estados Unidos, assim foi relatado: nenhum crime grave foi cometido por adolescentes nesse período de tempo. Elvis Presley lhes enviou um telegrama de congratulações.”

O livro é dividido em quatro partes. Em “Liverpool”, o autor conta a história individual de cada músico, fala sobre o início dos integrantes na banda Quarrymen e termina com a contratação do grupo sob o nome The Beatles. “Londres e o Mundo” destaca importantes personagens na história da banda, como o produtor musical George Martin e o empresário Brian Epstein, e explora o auge do sucesso dos meninos, incluindo os primeiros shows, a febre apelidada de “Beatlemania”, as drogas, a chegada aos Estados Unidos e todas as grandes turnês do grupo. A família, os amigos, as históricas canções, o império gigantesco e o seguimento que deram em suas carreiras solo estão em “1986”, o ano que os Beatles começaram a se desentender. “Parte Final” conta com atualizações do livro lançado originalmente em 1968 e reeditado em 1985, 2002 e 2009. Lançada em 2015 pela Editora BestSeller, a primeira edição brasileira abrange todo o conteúdo da versão definitiva. Quantidade de material para fã nenhum botar defeito.

Possivelmente tentando alcançar algum título às custas da popularidade do grupo, o autor desmerece em diversos momentos as milhares de obras e as centenas de estudos publicados sobre os Beatles no mundo, como se fosse o único especialista existente da banda. Apesar de afirmar que não há mais o que ser dito sobre os músicos, a última edição de “The Beatles” conta com mais de 70 páginas de introdução inédita. Nelas, Davies gaba-se de sua convivência com os membros da banda, relata como conseguiu bravamente acesso a materiais exclusivos e se vangloria por ter doado algumas peças jamais vistas para museus, se auto intitulando uma espécie de filantropo. O autor funde a narrativa, pelas próximas 530 páginas, com pronomes pessoais repetitivos, que não permitem ao leitor esquecer em nenhum momento quem é o responsável por expor ao mundo a extraordinária história da banda.

Apesar de autorizada, John Lennon afirmou para a revista Rolling Stone, em 1971, que considerava a obra “bullshit”, um termo considerado de baixo calão para denominar algo como bobagem.

The-Beatles-A-Unica-Biografia-Autorizada-por-Hunter-Davies-Editora-BestSeller