Roupa Nova mostra versatilidade com Bon Jovi, Pink Floyd e Nirvana

Roupa-Nova-comemora-35-anos-de-carreira-com-show-no-Citibank-Hall-em-Sao-Paulo

No domingo, 20, o grupo Roupa Nova reuniu parte de seus admiradores no Citibank Hall, em São Paulo, para uma apresentação especial. O espetáculo faz parte do encerramento das comemorações de 35 anos da banda e resume, de forma sucinta, uma história longa e de muito sucesso. Companheiros inseparáveis, Serginho Herval, Paulinho, Kiko, Nando, Ricardo Feghali e Cleberson Horsth mantêm a formação original do grupo e carregam o título de banda mais antiga do Brasil.

Estima-se que o Roupa Nova tenha ultrapassado a marca de 8 milhões de discos vendidos. Apesar do número relativamente baixo para mais de 20 álbuns lançados, o grupo é um dos mais bem sucedidos casos do cenário da música nacional. Com mais de 2 milhões de cópias vendidas, o disco “Roupa Nova” (1985) tornou-se o maior êxito da história da banda. “Dona” (gravada originalmente pela dupla Sá e Guarabyra), “Seguindo no Trem Azul”, “Show de Rock ‘n’ Roll” e “Linda Demais” são alguns dos sucessos que estão no disco e são relembrados no show.

Roupa-Nova-comemora-35-anos-de-carreira-com-show-no-Citibank-Hall-em-Sao-Paulo

A identificação com o Roupa Nova independe de preferência musical. No vídeo de abertura, além de mostrar as multidões que o grupo arrasta Brasil afora, Claudia Leitte (axé), Thiaguinho (pagode), Rogério Flausino (pop), Alcione (samba), Luiza Possi (MPB), Daniel (sertanejo) e Tico Santa Cruz (rock) representam que a admiração ao talento da banda supera qualquer possível desentendimento entre estilos e gêneros. A constatação vem da plateia formada por homens e mulheres, héteros e homossexuais, de todas as idades, em um ambiente onde prevalece o amor e a paz. “Violência não! Nós estamos completamente de saco cheio de violência na televisão, na rua, no trânsito. Chega! Isso não é normal”, diz Nando antes de “A Paz”, versão da canção “Heal The World”, de Michael Jackson.

“A Paz” conta com a participação do Padre Fábio de Melo via telão. Da mesma forma, o cantor Milton Nascimento participa de “Nos Bailes da Vida”. Ambos os números relembram o show comemorativo de 30 anos, lançado em DVD em 2010. “Sapato Velho” recorda os projetos “RoupAcústico” (2004) e “RoupAcústico 2” (2006), “Tenha Fé Na Música” comemora o “Cruzeiro Roupa Nova” (2012) e “Cantar Faz Feliz o Coração” revive a passagem do grupo pelo Abbey Road Studios durante a gravação de “Roupa Nova em Londres” (2009). Os Beatles, aliás, são lembrados em uma emocionante performance a cappella e sem microfone de “Yesterday”. “Precisamos de 2 minutos e 40 segundos de silêncio. Não gritem ‘Serginho gostoso’, por favor!”, pede Feghali com dificuldade para ser atendido.

>> Leia também: “O fenômeno da música documentado na biografia ‘The Beatles'”

Roupa-Nova-comemora-35-anos-de-carreira-com-show-no-Citibank-Hall-em-Sao-Paulo

“Um dia nós seis tivemos a coragem de sonhar”, orgulha-se Nando, dando força à plateia para que sigam seus objetivos. “Sonhar e trabalhar, essa é a fórmula”. Em menos de um mês, o Roupa Nova lança mais um trabalho inédito. “Todo Amor do Mundo” terá o formato de um livro, em cada página haverá um texto e a letra de uma música. No final, dois discos terão os textos gravados e as músicas. Das 19 canções, duas foram mostradas ao vivo: “Sonhando com os Pés no Chão” e “É Tempo de Amar”. A última, uma regravação de Roberto Carlos, será a primeira música de trabalho. “Gostaram?”, questiona Ricardo. “Vão pedir na rádio, né?”, brinca.

Os números mais aplaudidos da noite? “Volta Pra Mim”, “Coração Pirata” e “De Volta Pro Futuro”. No último, a banda estava dividida em três duplas para dar voz às canções preferidas de cada uma. Com problemas na guitarra, Kiko tentou fazer uma performance parado, com um dos técnicos de som tentando resolver o problema. Prontamente, mostrando não só o companheirismo, mas o profissionalismo, Nando e Feghali aparecem no palco com seus instrumentos para dar apoio ao número. O público canta a plenos pulmões e transforma o desastre em um espetáculo.

No bis, o Roupa Nova não esconde as influências do rock britânico e americano e interpreta um medley de canções como “You Give Love a Bad Name” (Bon Jovi), “Have You Ever Seen The Rain?” (Creedence Clearwater Revival), “Stayin’ Alive” (Bee Gees), “Twist and Shout” (The Beatles), “The Wall” (Pink Floyd), “(I Can’t Get No) Satisfaction” (The Rolling Stones), “Smells Like Teen Spirit” (Nirvana), “Sweet Child O’ Mine” (Guns N’ Roses), “We Will Rock You” e “We Are The Champions” (Queen). “Vocês moram no nosso coração”, despedem-se.

>> Veja trechos exclusivos do show do Roupa Nova no canal do Setor VIP no YouTube!

Roupa-Nova-comemora-35-anos-de-carreira-com-show-no-Citibank-Hall-em-Sao-Paulo