Skank e Jorge Ben Jor esquentam público paulista em festa “Versão Brasileira”

(Foto: Cíntia Carvalho / Setor VIP)

(Foto: Cíntia Carvalho / Setor VIP)

Na última sexta-feira (30), o Espaço das Américas, em São Paulo, recebeu a primeira edição da festa “Versão Brasileira”. O evento contou com shows da banda mineira Skank e do cantor Jorge Ben Jor. O quarteto formado por Samuel Rosa (vocal), Henrique Portugal (teclado), Lelo Zaneti (baixo) e Haroldo Ferretti (bateria) agitou o público com o espetáculo que faz parte da turnê “Velocia”, baseada no nono álbum de estúdio do grupo, lançado em 2014. “Vocês todos podem estar convictos que vamos tentar retribuir essa energia e o fato de tocar para uma casa cheia pra caramba”, afirma Samuel após as canções “A Noite” e “Do Mesmo Jeito”. “Depois de longa data é uma convicção muito gostosa de sentir”, diz visivelmente empolgado. “Estamos sentindo uma conexão maravilhosa e que o Brasil fique sabendo que mobilizamos tamanha multidão nessa noite fria em São Paulo!”, finaliza antes de fotografar o público. O Skank é acompanhado por uma banda de apoio com quatro músicos responsáveis pelo saxofone, trompete, trombone e guitarras. No cenário, um telão horizontal exibe imagens da banda e figuras geométricas.

“O Espaço das Américas está me lembrando os estádios em dia de clássicos! Vamos falar sobre o nosso tema predileto?”, pergunta antes de “É uma Partida de Futebol”, um dos maiores sucessos da carreira do Skank. “É Proibido Fumar” e “Saideira” são as próximas músicas que movimentam a plateia. A clássica “Jackie Tequila” antecede a bonita “Te Ver”. “Mais uma daquele disquinho verde…”, brinca ao relembrar “Calango” (1994), álbum mais popular dos mineiros, que ultrapassou a marca de 1 milhão de cópias vendidas e traz canções como “Esmola” e “Pacato Cidadão”. De todos os trabalhos da banda, apenas o primeiro álbum, “Skank” (1992), lançado de maneira independente, não é relembrado durante o espetáculo. Todos os outros discos tem pelo menos uma canção no repertório de “Velocia”. A parte final de “Velocia” conta com uma sequência de sucessos inesquecíveis como “Acima do Sol”, “Três Lados”, “Vou Deixar”, “Garota Nacional” (“Um flashback da juventude de vocês!”) e “Vamos Fugir”. “Nós é que tínhamos que pagar ingressos para vocês”, despede-se contente.

O Skank está em turnê pelo Brasil com a turnê “Velocia”. Em breve, a banda comemora 20 anos do disco “O Samba Poconé” (1996). O álbum traz sucessos como “É uma Partida de Futebol”, “Eu Disse a Ela”, “Garota Nacional” e “Tão Seu”. Shows comemorativos com um repertório especial estão marcados no Rio de Janeiro (15/10), em Belo Horizonte (22/10) e em São Paulo (26/11). Além da “Tour Poconé”, será lançada uma edição tripla com o material original e outras 29 faixas, incluindo ensaios, demos, remixes e canções que ficaram de fora da primeira versão. Mais informações, acompanhe as atualizações da página oficial do Skank no Facebook.

(Foto: Cíntia Carvalho / Setor VIP)

(Foto: Cíntia Carvalho / Setor VIP)

Passava das três horas da manhã quando Jorge Ben Jor subiu ao palco do Espaço das Américas, para encerrar a primeira edição da festa “Versão Brasileira”. “Boa noite, boa noite!”, cumprimenta o público ao som de “Minha Teimosia, Uma Arma Pra Te Conquistar”, canção gravada em meados dos anos 70. Usando uma blusa com seu nome e São Jorge bordado nas costas, o cantor interpreta “Jorge da Capadócia”. Figuras do santo podem ser percebidas em um canto do palco, próximas ao tecladista. “A Banda do Zé Pretinho”, apelido carinhoso para os músicos que o acompanham, antecede “Santa Clara Clareou”, “Zazueira” e “Que Maravilha”, uma sequência que coloca o público para dançar. Um trecho de “Ive Brussel”, gravada em parceria com Caetano Veloso, precede a bonita “Por Causa de Você, Menina”, canção que empolga os casais que tomam conta da pista. “Os Alquimistas Estão Chegando” e “Alcohol”, mostram um Jorge Ben Jor descontraído, que usa a frase “eu gosto tanto de você” no plural e se dirige empolgado à platéia. É a vez de “País Tropical”, de longe a música mais famosa da carreira de Ben Jor. “Spyro Gyro”, é citada entre a canção como há anos o artista faz em suas apresentações. “A família agradece!”, fala da sua maneira costumeira.

“Quero dedicar essa música à vocês, pelo clima gostoso e pela energia maravilhosa”, diz antes de “O Homem da Gravata Florida”, clássico dos anos 70. “Zumbi”, “Take It Easy My Brother Charles” e “Meus Filhos Meu Tesouro” são algumas das canções que o músico resolveu relembrar durante o espetáculo, recheado de músicas que não fazem parte do repertório usual do cantor. Com mais de 50 anos de carreira e 35 discos, o carioca nascido em Madureira e criado no Rio Comprido, é conhecido por sua discrição, embora a maioria de suas canções combinem letras divertidas com as animadas batidas do samba rock e do funk, como “Umbabarauma” e “Fio Maravilha”, próximas faixas do espetáculo. Antes do fim, Jorge recebe no palco algumas fãs, que cantam e dançam com o artista até o final da apresentação, e são as responsáveis pelos momentos mais engraçados da noite, com direito à dança de rostinho colado, monopólio do microfone (“Tá lindo, gente!”, grita uma em determinado momento) e muitas selfies com Ben Jor, que leva tudo numa boa e faz questão de dividir a atenção igualmente entre todas as presentes. “Do Leme ao Pontal”, de Tim Maia, “W/Brasil” e “Taj Mahal” encerram a divertida e bem executada apresentação.

O cantor está na ativa e se apresenta frequentemente por diversas cidades do Brasil. Consulte a programação das principais casas de shows. O site oficial e as redes sociais de Jorge Ben Jor não são atualizadas com frequência.

>> Vídeos da festa “Versão Brasileira” no canal oficial do Setor VIP no YouTube!

>> Jorge Ben Jor e Seu Jorge esquentam público com show “Os 2 Jorges”