Sonhos se tornam realidade na versão live-action de “A Bela e a Fera”

(Foto: Divulgação)

Na próxima quinta-feira (16), chega às salas de cinema de todo o Brasil a nova versão do clássico “A Bela e a Fera”. Baseado na animação lançada pela Walt Disney Pictures em 1991, o longa-metragem faz parte do projeto dos estúdios em relançar alguns de seus famosos desenhos em live-action, em resumo, transformar o sonho em realidade. E é exatamente o que o público poderá conferir em breve.

Não à toa, as conquistas da produção original incluem o título de primeira animação a concorrer ao Oscar de Melhor Filme. Dentre as centenas de acertos do longa metragem de 2017, está seguir à risca o que conquistou tantos admiradores pelo mundo em mais de 25 anos. Foram mantidas todas as referências históricas da animação ganhadora do Oscar de Melhor Trilha Sonora e de Melhor Canção Original.

(Foto: Divulgação)

Dirigido por Bill Condon – roteirista de “Chicago” (2002) e roteirista e diretor de “Dreamgirls” (2006) -, “A Bela e a Fera” conta com o excelente elenco formado por Emma Watson (Bela), Dan Stevens (Fera), Luke Evans (Gaston), Ewan McGregor (Lumière), Ian McKellen (Cogsworth), Emma Thompson (senhora Potts) e Kevin Kline (Maurice), responsáveis por números clássicos como “Belle”, “Gaston”, “Be Our Guest” e “Beauty and the Beast”.

Kristen Stewart e Amanda Seyfried foram algumas das atrizes cotadas com Emma Watson para o papel de Bela, que optou por participar da versão ao invés de protagonizar o premiado “La La Land” (2016). Ao contrário de Watson, Ryan Gosling recusou o papel de Fera para estar no musical que rendeu ao canadense indicações ao Oscar, ao BAFTA e ao SAG, além do troféu de Melhor Ator no Globo de Ouro.

(Foto: Divulgação)

A ideia inicial dos estúdios Disney era transformar em filme o musical homônimo lançado em 1994. Apesar da inclusão de novas músicas, nada foi aproveitado do material criado para o espetáculo teatral. Entre as novidades mais significativas, está a canção “Evermore” (“Nunca Mais”, em português), interpretada pela Fera. Embora a cena se pareça visualmente com a peça da Broadway, a música foi composta especialmente para o filme.

Compositor original da trilha-sonora, Alan Menken recebeu dezenas dos mais importantes prêmios do mundo incluindo Oscars, Grammys e Tonys. Além do envolvimento no desenho, na produção teatral e no atual longa-metragem de “A Bela e a Fera”, Menken é responsável por diversos outros grandes sucessos da Disney como “A Pequena Sereia” (a animação em 1989 e o musical em 2008) e “Aladdin” (a animação em 1992 e o musical em 2013).

>> Adam Jacobs conta curiosidades sobre espetáculo musical “Aladdin” da Disney

>> “Chicago” rocks Nova York!

(Foto: Divulgação)

Durante as filmagens, os artistas cantaram ao vivo, tornando “A Bela e a Fera” o quarto longa-metragem a utilizar o método, depois de “Across The Universe” (2007), “Les Misérables” (2012) e “Into The Woods” (2014). A versão dublada conta com nomes conhecidos no teatro musical brasileiro como Giulia Nadruz (Bela), Ivan Parente (Lumière), Rodrigo Miallaret (Maurice), Nando Pradho (Gaston) e Cidalia Castro (senhora Potts).

Com cerca de 40 minutos a mais que a animação, o longa-metragem guarda para os créditos finais a canção “How Does a Moment Last Forever”, interpretada por Celine Dion, cantora original do clássico “Beauty and the Beast”, além da repaginada música tema, cantada por Ariana Grande e John Legend. “A Bela e a Fera” estreia no próximo dia 16 no Brasil e no dia 17 de março no resto do mundo. Imperdível.