Tiago Abravanel é Snoopy no impecável musical “Meu Amigo, Charlie Brown”

Tiago-Abravanel-e-Snoopy-no-musical-Meu-Amigo-Charlie-Brown-no-Teatro-Frei-Caneca-em-Sao-Paulo

(Foto: Setor VIP / Cíntia Carvalho)

São muitos os motivos para assistir ao musical “Meu Amigo, Charlie Brown”, em cartaz no Teatro Frei Caneca, em São Paulo. Montado pela primeira vez no Brasil há seis anos, parte do elenco original retorna ao projeto que promete tocar o coração de crianças e adultos. Leandro Luna (Charlie Brown), Mariana Elisabetsky (Sally) e Paula Capovilla (Lucy) recebem Mateus Ribeiro (Linus) e Guilherme Magon (Schroeder) no time que conta com a participação de Tiago Abravanel (Snoopy). “Participei das audições para a primeira temporada, mas não pude fazer o espetáculo”, conta o intérprete de um dos cachorros mais queridos de todos os tempos. “E não foi para esse personagem”, revela.

Tiago é, sem dúvidas, um dos bons motivos para conferir “Meu Amigo, Charlie Brown”. Sua participação é tão marcante que parece curta aos olhos do público, que não se importaria em vê-lo mais. Experiente, o artista tem no currículo musicais como “Tim Maia – Vale Tudo”, “Hairspray” e “Miss Saigon”, além de novelas como “Salve Jorge” e “Joia Rara”. Ou seja, interpretar Snoopy é diferente de tudo o que ele já fez. “Apesar das características humanas, é um cachorro, tenho que latir e não posso esquecer de ficar nas quatro patas”, conta. “E a casinha foi reforçada!”, brinca em relação às clássicas cenas onde o personagem fica sob o teto do lugar que vive. “Hora do Jantar”, número musical que tem Snoopy como principal protagonista, arranca aplausos eufóricos do público. Em determinado momento, a turma se reúne para assistir ao filme “Snoopy e o Barão Vermelho”, uma cena sensível e comovente.

“You’re a Good Man, Charlie Brown” – nome original do espetáculo – foi baseado nas tiras do cartunista Charles Schulz e estreou em 1967, nos Estados Unidos. A peça mostra um dia na vida do inseguro Charlie Brown. São apenas 13 canções que prendem a atenção das crianças e que conquistam os adultos pelo conteúdo irônico e extremamente inteligente, fiéis ao trabalho de Schulz. “Preservamos as características do trabalho do autor”, conta Luna em relação à essência simples que ronda o universo do “Peanuts”. Ao lado de Danny Oliveira e Priscilla Squeff, o ator é mais uma vez responsável pela realização do espetáculo. “Guardamos o cenário para quando surgisse a possibilidade de remontarmos”, conta ao afirmar que enxergaram uma grande visibilidade para o trabalho com a estreia do longa metragem “Peanuts, O Filme” (2015).

A direção cênica de Alonso Barros é notada principalmente em cenas como “Beethoven Rei” e “Novas Lições”, fotograficamente perfeitas. A cenografia de Chris Aizner e Nilton Aizner destaca o traço característico de Schulz, recordando as mais famosas cenas dos quadrinhos. Preste atenção no sofá e na casinha de Snoopy. O figurino de Jô Resende respeita o trabalho do cartunista, mas traz agradáveis surpresas como nas canções “Meu Amigo, Charlie Brown” e “Time”. A direção vocal de Rafael Villar se sobressai nos números em que o elenco se reúne. A junção das seis vozes – completamente diferentes – forma um coro vibrante, potente e admirável.

Embora o elenco demonstre afinidade e talento na mesma proporção, Paula Capovilla rouba as cenas em que está presente. Sua interpretação para a mal humorada Lucy, rendeu a ela o prêmio FEMSA Coca-Cola de Melhor Atriz Coadjuvante em 2010. A artista participou de musicais como “Les Misérables”, “A Bela e a Fera”, “Mamma Mia!” e “Evita”, mas em “Meu Amigo, Charlie Brown” tem a oportunidade de encantar o público com uma proposta completamente diferente. Em “Schroeder”, “Meu Pano e Eu” e “A Doutora”, é possível chorar de rir com suas caras e com sua voz.

O musical termina com uma cena emocionante em “Ser Feliz”. Fique até o final.

Tiago-Abravanel-e-Snoopy-no-musical-Meu-Amigo-Charlie-Brown-no-Teatro-Frei-Caneca-em-Sao-Paulo

(Foto: Setor VIP / Cíntia Carvalho)

“Meu Amigo, Charlie Brown” está em cartaz no Teatro Frei Caneca, em São Paulo. Em março, sábados e domingos, às 17h30 e às 20h. Em abril, sábados às 15h e às 17h30 e domingos às 16h. Os ingressos custam de R$40,00 (meia) a R$80,00 (inteira) e podem ser adquiridos através do Ingresso Rápido. O musical tem recomendação indicativa livre, mas é para crianças e adultos. 90 minutos de duração. O elenco ainda conta com Douglas Tholedo e Tecca Ferreira que podem eventualmente substituir algum personagem. Até 24 de abril.