Antonio Fagundes e Sandy falam sobre suspense “Quando Eu Era Vivo”

(Foto: Filipe Vicente / Setor VIP)

(Foto: Filipe Vicente / Setor VIP)

Baseado no livro “A Arte de Produzir Efeito Sem Causa”, de Lourenço Mutarelli, o suspense “Quando Eu Era Vivo” prepara-se para sua estreia nacional na próxima sexta-feira (31): “Sou apaixonado pelo cinema fantástico!”, conta o diretor Marco Dutra. “Acho que o fato do sobrenatural não estar presente no cinema brasileiro aconteceu naturalmente, o gênero não influencia na qualidade de um filme”. Em apenas duas locações, um apartamento e um manicômio, o longa-metragem foi filmado em 18 dias: “Cada elemento teve uma importância”, continua. “Tentamos construir a evolução do espaço com quadros e papéis de parede. A força dramática da mudança do tempo para nós vem disso”.

(Foto: Filipe Vicente / Setor VIP)

(Foto: Filipe Vicente / Setor VIP)

O drama sobre a complexa relação familiar entre pai e filho peca pelo roteiro confuso e, na maior parte das vezes, inexplicável. Júnior (Marat Descartes) volta à casa do pai, Sênior (Antonio Fagundes), após divorciar-se e conhece Bruna (Sandy Leah), uma estudante de música que aluga um quarto no apartamento. De volta onde viveu sua infância, Júnior reencontra objetos que remetem ao passado e relembra situações envolvendo sua mãe (Helena Albergaria) e seu irmão Pedro (Kiko Bertholini).

“Você acha que a Bruna é parecida comigo?”, brinca Sandy com o diretor ao questionarem se achava que sua personagem não tinha uma profundidade cênica. “Temos alguns pontos em comum, pois trabalhamos com música, mas temos personalidades diferentes. Ela é muito solitária e não está nem aí para a família”, completa. “Ela é bem diferente de mim, é mais jovem do que eu e me concentrei em não passar mais maturidade do que a personagem teria”, finaliza. Sobre entrar em um projeto cinematográfico, Antonio Fagundes conta que ama o trabalho: “Faço muito teatro e uma peça te prende. Adoro cinema e gostaria de fazer mais, mas a produção precisa se adequar e é muito difícil. Por mim faria três ou quatro filmes por ano”.

Com roteiro de Gabriela Amaral Almeida e Marco Dutra e produção de Rodrigo Teixeira, o destaque vai para a sonorização impecável que transforma o longa-metragem em um suspense quase profissional. Daniel Turini e Fernando Henna foram os responsáveis pelo desenho de som e Guilherme Garbato e Gustavo Garbato pela música. Completam o elenco os atores Tuna Dwek, Gilda Nomacce, Rony Koren, Lourenço Mutarelli, Eduardo Gomes, Lilian Blanc, Carlos Albergaria e Marc Libeskind. Com 109 minutos e permitido apenas para maiores de 12 anos, “Quando Eu Era Vivo” estreia dia 31 de janeiro.

(Foto: Filipe Vicente / Setor VIP)

(Foto: Filipe Vicente / Setor VIP)