“Chacrinha – O Musical” é despojado e criativo como o Velho Guerreiro

Parte da vida pessoal e profissional de Abelardo Barbosa, é contada no espetáculo “Chacrinha – O Musical”. Em cartaz no Teatro Alfa, em São Paulo, após uma bem sucedida temporada no Rio de Janeiro, a trupe de quase 30 atores, cantores e bailarinos, entretém e emociona o público que relembra e comemora os grandes feitos do Velho Guerreiro.

Foto: Juliana Cerdeira

Foto: Juliana Cerdeira

Dividido em dois atos, o espetáculo aparenta ser formado por duas peças distintas. O bloco inicial destaca a infância e a adolescência de José Abelardo Barbosa de Medeiros, nome de batismo do artista nascido em 30 de setembro de 1917. Com referências ao Nordeste brasileiro – o comunicador viveu entre Pernambuco e Paraíba antes de mudar-se para o Rio de Janeiro -, a primeira uma hora e meia do musical mostra como o jovem passou a sonhar com o que parecia impossível, o início da carreira no rádio e o nascimento do apelido Chacrinha.

No segundo ato, com a imagem que o grande público conhece, o espaço transforma-se em um enorme estúdio de televisão para a sequência mais divertida do musical. Os famosos bordões (como “Terezinha!”, “Eu vim para confundir, não para explicar”, “Vocês querem bacalhau?”, “Na televisão nada se cria, tudo se copia”, “Quem não se comunica, se trumbica!”), as Chacretes (como Rita Cadillac, Gracinha Copacabana, Regina Polivalente, Índia Potira, Fernanda Terremoto) e as personalidades (como Elke Maravilha, Fábio Jr., Ney Matogrosso, Pedro de Lara, Roberto Carlos, Ultraje a Rigor, Titãs, Dercy Gonçalves) se fazem presentes entre mais de 60 canções.

Confira a propaganda de “Chacrinha – O Musical”:

Na pele de Chacrinha, Stepan Nercessian dá um show de carisma. Não há ator mais perfeito para interpretar o papel. Contido em movimentos, mas expressivo em palavras assim como o homenageado, o artista emociona a plateia que em momento algum se lembra de não estar na presença de Chacrinha. A produção também tem grande responsabilidade na conquista do feito. A cenografia de Gringo Cardia faz o público acreditar que realmente está presente nos estúdios onde eram gravados “Discoteca do Chacrinha”, “Buzina do Chacrinha” e “Cassino do Chacrinha”, programas que passaram pelas TV Tupi, TV Rio, Rede Globo e Bandeirantes nos mais de 30 anos de carreira do apresentador, que faleceu aos 70 anos, em 1988.

Os figurinos de semelhança impressionante, assinados por Claudia Kopke, transportam o espectador ao passado e permitem a experiência de estar próximo aos tradicionais ternos de paetês coloridos e dos divertidos e sensuais maiôs das Chacretes. Tudo criado com muito cuidado e atenção dobrada com os detalhes.

Foto: Juliana Cerdeira

Foto: Juliana Cerdeira

Escrito por Pedro Bial e Rodrigo Nogueira e dirigido por Andrucha Waddington, “Chacrinha – O Musical” faz parte da coleção de espetáculos produzidos pela Aventura Entretenimento. Sem dever em nada para musicais da Broadway, a empresa (que produziu sucessos internacionais como “A Noviça Rebelde”, “Despertar da Primavera”, “O Mágico de Oz”, “Hair” e “Um Violinista No Telhado”) experimenta o auge de sua popularidade desde a decisão em transformar histórias nacionais em musicais inéditos. No histórico recente da Aventura, podem ser encontrados nomes como “Elis, A Musical”, “Se Eu Fosse Você – O Musical” e “Rock in Rio – O Musical”.

Foto: Juliana Cerdeira

Foto: Juliana Cerdeira

“Chacrinha – O Musical” fica em cartaz no Teatro Alfa às quintas (21h), sextas (21h30), sábados (16h e 20h) e domingos (19h). Excepcionalmente no domingo, dia 19 de abril, a sessão iniciará às 16h. A partir do dia 03 de maio, as sessões de domingo acontecerão às 17h. Os ingressos podem ser encontrados no Ingresso Rápido e custam de R$25,00 (meia) a R$180,00 (inteira).