Nathalia Timberg comemora 90 anos com monólogo “Através da Iris”

(Foto: Rodrigo Lopes)

Em 2019, Nathalia Timberg completa 65 anos de carreira e 90 anos de idade. Em cartaz com o monólogo “Através da Iris” no Teatro FAAP, em São Paulo, a artista antecipa as comemorações e convida o público a conhecer a vida de Íris Apfel, empresária que se tornou referência na moda pela maneira excêntrica de se vestir. Em 2005, o The Metropolitan Museum of Art, em Nova York, homenageou a nonagenária com a exposição “Pássaro Raro: A irreverente Íris Apfel”, que contou com centenas de peças do guarda-roupa da artista.

Assinado por Cacau Hygino, o texto não possui profundidade factual e pressupõe que a empresária seja mais conhecida pelo público brasileiro do que realmente é. Verdade seja dita: a maioria das pessoas nunca ouviu falar de Íris e o espetáculo teatral não auxilia os espectadores a conhecê-la. Embora a empresária tenha uma ou outra passagem interessante em sua história (como o fato de ter trabalhado durante anos na Casa Branca), todas são contadas de maneira superficial, como se o autor estivesse apenas relembrando ao público assuntos extremamente conhecidos, mas que na verdade ninguém nunca ouviu falar.

Em determinado momento do espetáculo, perde-se muitos minutos tentando emocionar a plateia com uma história sobre a relação de Íris com seu marido Carl Apfel (1948-2015). Como o público não a conhece e não possui informações ou tempo suficientes para se identificar com a personagem, a passagem arranca bocejos ao invés de lágrimas. Em resumo, o texto não apresenta um motivo convincente para que a história de Íris Apfel seja contada no teatro.

(Foto: Rodrigo Lopes)

Nathalia Timberg pausa diversas vezes para recorrer ao texto em sua memória e se mostra visivelmente incomodada com a falta de ritmo que provoca no espetáculo. Durante cerca de 55 minutos, o público se preocupa mais em torcer para que a atriz não escorregue em suas falas do que em mergulhar na história. Com direção de Maria Maya, a peça intercala cenas com depoimentos pré-gravados, como se fossem trechos de um documentário. Infelizmente, os intervalos não coincidem com os momentos de maior insegurança de Timberg, que poderia utilizá-los para respirar fundo e relembrar a próxima parte do texto longe dos olhos do público. As interrupções acontecem quando a atriz se mostra menos insegura.

Embora seja inaceitável o fato de um espetáculo sobre uma personalidade que conquistou fama pela sua maneira de se vestir mostre apenas duas produções, o figurino criado por Tatiana Brescia rouba a cena de maneira positiva e se torna um dos grandes atrativos de “Através da Iris”. Somada às projeções cênicas de Rico Vilarouca e Renato Vilarouca e ao desenho de luz de Adriana Ortiz, a cenografia criada por Ronald Teixeira e Guilherme Reis é espetacular e merece a notoriedade que conquista durante o espetáculo.

Assinada por Vavá Torres, a caracterização escorrega ao não exagerar no batom da personagem e não incorporar na atriz a visível pinta que Íris Apfel possui no lado direito do rosto, características marcantes da empresária e utilizadas como símbolos na arte de divulgação da peça, ao lado dos enormes óculos de aro redondo.

>> Nathalia Timberg: “O público diz que ama, mas na verdade não entende as peças”

(Foto: Rodrigo Lopes)

“Através da Iris” está em cartaz no Teatro FAAP (Rua Alagoas, 903 – Higienópolis), em São Paulo, às sextas (21h), sábados (21h) e domingos (18h). As entradas custam de R$40,00 (meia) a R$80,00 (inteira) e podem ser encontradas através do site oficial do Teatro FAAP. Há ingressos populares de R$25,00 (meia) a R$50,00 (inteira). “Através da Iris” tem classificação indicativa para maiores de 12 anos e duração de 55 minutos. Até 10 de março. Estrela1 Estrela1