Spike Lee resgata história e critica dias atuais com “Infiltrado na Klan”

(Foto: Divulgação)

No final dos anos 70, o policial afro-americano Ron Stallworth conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan, uma organização secreta que promovia atos de intimidação e violência principalmente contra afrodescendentes. Baseado no livro escrito por Stallworth, “Infiltrado na Klan” tem sido aclamado por crítica e público desde o lançamento. Considerada um dos 10 melhores filmes de 2018 pelo American Film Institute, a obra recebeu quatro indicações na última edição do Globo de Ouro, incluindo Melhor Filme – Drama. Com orçamento estimado em US$15 milhões, “Infiltrado na Klan” conquistou US$90 milhões em bilheteria pelo mundo.

“Infiltrado na Klan” tem direção assinada pelo norte-americano Spike Lee, conhecido por filmes que criticam a violência contra as minorias, principalmente raciais, como “Faça a Coisa Certa” (1989), uma comédia dramática que revela um conflito inter-racial entre vizinhos; “Malcolm X” (1992), defensor dos direitos dos afrodescendentes nos Estados Unidos entre as décadas de 50 e 60; e “Miracle at St. Anna” (2008), que aborda o preconceito sofrido por soldados negros comandados por oficiais brancos no final da Segunda Guerra Mundial.

(Foto: Divulgação)

“Infiltrado na Klan” começou a ser filmado em outubro de 2017, na cidade de Ossining, no estado de Nova York. Embora baseado em uma história real, o longa-metragem possui algumas licenças poéticas. O filme se passa no início dos anos 70, embora os eventos tenham ocorrido entre 1978 e 1979. Devido a interação com a Ku Klux Klan, a identidade do parceiro de Ron Stallworth é desconhecida, portanto sua origem judaica é inventada. O policial nunca veio a público contar sua versão da história por medo das prováveis consequências.

John David Washington (do seriado americano “Ballers”), Adam Driver (de “Star Wars: O Último Jedi”) e Topher Grace (de “Interestelar”) protagonizam as principais cenas de “Infiltrado na Klan”, que conta com a participação de Alec Baldwin (da série “30 Rock”). Imagens reais do confronto entre neonazistas e opositores à supremacia branca são mostradas durante o encerramento do longa-metragem. O confronto aconteceu na cidade de Charlottesville, em 2017. Além da morte de Heather Heyer (32), a manifestação rendeu o vergonhoso discurso do presidente dos Estados Unidos Donald Trump, culpando ambos os lados pela tragédia.

>> “Bohemian Rhapsody”: ficção e realidade em homenagem ao Queen

>> “Nasce Uma Estrela” consagra talento de Lady Gaga e Bradley Cooper

(Foto: Divulgação)

“Infiltrado na Klan” está em cartaz na Caixa Belas Artes (Rua da Consolação, 2.423 – Consolação), em São Paulo, todos os dias às 15h30, 18h10 e 20h50. Os ingressos custam de R$09,00 (meia) a R$30,00 (inteira) e podem ser encontrados através do site oficial da Caixa Belas Artes. “Infiltrado na Klan” tem duração de 02h15 e classificação indicativa para maiores de 14 anos. Em cartaz por tempo indeterminado, consulte a programação.